Skip to main content

Mancha de hidrocarbonetos se aproxima de ilha francesa da Córsega

Mancha de petróleo atinge costa leste da ilha francesa da Córsega, em imagem divulgada pela Marinha Nacional da França, em 12 de junho de 2021
| Oton de Oliveira | Ética
155 Visitas
Praias fechadas, pesca proibida e implantação de importantes meios de proteção costeira: a Córsega, ilha francesa no Mediterrâneo, se prepara, neste sábado (12), para a possível chegada de uma mancha de hidrocarbonetos, provavelmente ligada à desgaseificação ilegal de um navio.

Praias fechadas, pesca proibida e implantação de importantes meios de proteção costeira: a Córsega, ilha francesa no Mediterrâneo, se prepara, neste sábado (12), para a possível chegada de uma mancha de hidrocarbonetos, provavelmente ligada à desgaseificação ilegal de um navio.

"Tememos que parte dessa poluição afete hoje a costa da Córsega", declarou à AFP a capitã de fragata Christine Ribbe.

Detectada na sexta-feira (11) durante um exercício militar aéreo no leste da ilha mediterrânea, a poluição por hidrocarbonetos, uma linha preta nas águas azuis do Mediterrâneo, estava neste sábado a cerca de dez quilômetros de Aleria-Solenzara, zona turística da ilha com muitas praias de areia branca. 

"As operações de reconhecimento realizadas no início da manhã comprovaram a presença de duas manchas", a primeira agora localizada na área de Aleria a 800 metros da costa, e a segunda a 3,5 quilômetros da costa de Solenzara", informou o departamento da Alta Córsega em um comunicado.

A presença de hidrocarbonetos pesados, de difícil dissolução, preocupa as autoridades francesas. 

O prefeito do departamento, François Ravier, proibiu o acesso às praias por cerca de quarenta quilômetros, entre Aleria e Ventiseri.

"Também é recomendado aos moradores não frequentar as praias próximas a essas áreas. O perímetro do decreto será revisto com base nas informações sobre a posição das manchas", afirmou a prefeitura em nota.

A pesca também está proibida nesses mesmos setores.

Cerca de 80 soldados da Defesa Civil, bombeiros e gendarmes estão destacados na região para lutar contra a poluição marítima. 

"Eles estão equipados com ferramentas para coletar hidrocarbonetos no solo caso atinjam a costa, além de equipamentos de proteção", disse a prefeitura.

- Identificar o navio -

O prefeito da Alta Córsega exortou os habitantes "a não tocarem ou procederem sozinhos à recolha da poluição que possam encontrar nas praias", mas a informarem a gendarmaria ou os bombeiros da sua presença.

O trabalho para proteger as lagoas costeiras está em andamento. Também está prevista a instalação de barreiras náuticas.

A situação pode mudar em função do rápido deslocamento dessa poluição, apontou a prefeitura. 

A Marinha enviou dois navios de apoio e assistência (BSAA), "Pioneer" e "Jason", "com equipamento antipoluição específico e pessoal especializado da célula antipoluição da base naval de Toulon (sul da França), para fortalecer os recursos já implantados".

A poluição "provavelmente resulta da desgaseificação", um processo - proibido no mar - que consiste em um navio livrar seus tanques de combustível dos gases que ali permanecem quando estão vazios, segundo a prefeitura marítima.

Uma investigação foi aberta e confiada à gendarmaria marítima, disse à AFP Dominique Laurens, procurador de Marselha (sul), responsável por casos de poluição marítima na costa mediterrânea francesa.

"Está em curso uma análise do tráfego marítimo da zona", acrescentou. 

Esta é uma das poluições mais significativas observadas nos últimos três anos nesta área mediterrânica, de acordo com a gendarmaria marítima.