Mar11

A Nova Ordem Escolar

Author // Oton de Oliveira Categories // Comportamento

Qual é a saída para garantir o aprendizado do ano letivo?

A Nova Ordem Escolar

Com mais de 130 mil escolas fechadas, cerca de 47 milhões de alunos estão sem aulas presenciais desde o fechamento das instituições para conter a propagação do novo coronavírus no país. Então ...

 

Qual é a saída para garantir o aprendizado do ano letivo, e não só pensar em cumprir carga horária? Será preciso repensar o modelo de carga horária/distribuição de conteúdos? 

O ensino atual não deveria ter como referência a quantidade de conteúdos, e sim as competências: os conhecimentos, habilidades e atitudes que os estudantes desenvolvem. Aprender é um processo, não adianta condensar o aprendizado em menos dias e muitas horas diárias. Se os alunos ficarem mais tempo sem ir à escola, é melhor relativizar o “ano letivo” e reorganizar as etapas de aprendizagem em módulos.

Teremos que repensar tudo, carga horária, conteúdos, reorganização do ano letivo, com possibilidades reais e necessidade concreta de que o ano letivo de 2020 termine em 2021. Um meio importante nessa reorganização será a inserção na carga horária de atividades orientadas para serem feitas fora do horário de aula. O que não podemos aceitar é a exclusão de parte dos estudantes do direito à educação. Qualquer decisão só pode ser tomada com ampla participação e partir de um cenário definido.

Carga horária e calendário são temas que dependem de quando vai acabar a quarentena. Antes de pensar isso, precisamos planejar a volta às aulas, pensar uma sequência de ações a fim de que os alunos consigam repor não só carga horária, para cumprir uma formalidade, mas, principalmente, ter garantida a aprendizagem. Não é a mesma coisa que voltar de férias. Esses alunos ficaram isolados em casa com uma série de problemas, como a violência doméstica, ou ainda perderam parentes para a pandemia. Será preciso fazer um nivelamento, para saber em que ponto está cada aluno. Uma estratégia eficiente seria separar os alunos por classes de desempenho e criar uma intervenção distinta para cada nível de aprendizagem.

O ensino online ganhará mais adeptos. Muitos professores que ainda não usavam ambientes virtuais de aprendizagem tiveram que mergulhar e aprender novas práticas em poucos dias. Milhares de professores e estudantes estão gostando da experiência e pode ser que a educação à distância se amplie ainda mais, sobretudo no ensino superior. Já na educação básica, valerá como um ensaio, mas ficará claro que ainda estamos longe de fazer ensino online efetivo.

No video selected.

About the Author

Oton de Oliveira

Oton de Oliveira

Professor de Química.

Deixe um comentário

Você está comentando como visitante.